Minimalista

Se você já ouviu a expressão “Less is More” alguma vez na sua vida, você já conheceu o mais puro conceito de movimento tão importante para as artes de uma maneira geral.

O movimento Minimalista marcou profundamente a base da criatividade dos artistas do século XX. É o símbolo do essencial, sendo inimigo da estética apenas pela estética, utilizado principalmente na arquitetura e expandido depois para o design de interiores, o minimalismo também mostrou seus “ares de simplicidade chic” nas artes visuais e na música. O Minimalismo hoje se mostra presente também no raciocínio lógico da programação, tableless e demais áreas da informática. A Apple, queridinha do momento, usa o conceito de minimalisto em todos os seus produtos e não á toa, a sua maior concorrente Sansung, vem fazendo o mesmo.

Seja porque inspira clareza de idéias ou mesmo organização, ou seja porque inspira o clássico e poderoso que não precisa ser adornado; o design minimalista tem agradado cada vez mais o gosto popular e deixado as pranchetas dos designers e invadido a casa das pessoas.

O minimalismo não se refere diretamente ao conceito de “pouco”, e sim de ampliar a essência do que realmente é importante, chegando ao ponto de tornar todo o restante dispensável perante o verdadeiro foco da criação, podendo ser dito como a redução da variedade visual numa imagem.

Estamos falando em reduzir a cinzas todo e qualquer tipo de coisa que não corresponda à legibilidade da criação.

O uso do termo “Minimalista” é considerado polêmico, sendo recusado por muitos dos tachados minimalistas.

Artista Minimalista

Quando falamos de minimalismo, é impossível deixar de citar a obra de Ludwig Mies Van der Rohe, considerado mestre no estilo Minimalista. O arquiteto alemão é um dos principais nomes da arquitetura do século XX e dono da frase que inicia o post “Less is more” (menos é mais).

Uma de suas principais obras foi o Pavilhão Alemão na Feira Internacional de Arquitetura em Barcelona em 1929. O pavilhão foi demolido no final da Feira, mas foi construída uma cópia, no mesmo local, que permanece até nossos dias.

Barcelona2003-03 03 copy

Nomes do Minimalismo

Literatura: Raymond Carver e Ernest Hemingway;

Música: Steve Reich e Philip Glass;

Arquitetura: Tadao Ando e Álvaro Siza.

Fonte: http://www.imasters.com.br

Inspirações Minimalistas:

561283_523413244366550_271634975_n

1671_523412937699914_1565451291_n

58026_523412894366585_2040083879_n

64416_523413197699888_1776901267_n

528246_523413167699891_1733763234_n

547514_523412844366590_621108927_n

548952_523413074366567_445525357_n

561182_523413037699904_1251449270_n

561283_523413111033230_1649351598_n

 

Eu sou suspeita para falar sobre o minimalismo porque ele é a minha maior fonte de inspiração para projetar. Quando olho um ambiente ou uma construção minimalista o que vejo é tranquilidade, calma, serenidade e atemporalidade tão necessárias nesses tempos de validades tão curtas.

Imagens: Google e Tumblr

(Bia K.)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s